Seguros

Seguro de Celular sem Nota Fiscal

O crime de roubo de celulares sempre figura entre os mais praticados do Brasil, não apenas nas grandes cidades, mas também nas pequenas. A bandidagem fica ainda mais interessada quando são smartphones caros, com valores acima de R$ 1.000 e podem facilmente ser vendidos ou trocados por outras mercadorias.

Assim surge como opção o seguro para celular, protegendo o seu bem. Aliás, esse tipo de serviço é oferecido também contra danos no aparelho. Aqui vamos falar sobre a importância da nota fiscal no momento de contratar o serviço e também sobre algumas pegadinhas que você não pode cair.

Seguro de celular sem nota fiscal

Na maioria dos casos você precisa da nota fiscal. As seguradoras exigem nota fiscal para comprovar o valor do celular. Além disso, o documento conta com outras informações importantes, como o nome do comprador e características do aparelho que depois poderão ser ressarcidas. Também será preciso apresentar a nota fiscal no momento de solicitar o seguro e em alguns casos para fazer o Boletim de Ocorrência (BO).

O valor do seguro se baseia na nota?

Quando um cliente procura uma empresa para contratar seguro para o seu celular, existem alguns planos que cobrem diferentes problemas. Na maioria dos casos a apólice será baseada no valor do aparelho contido na nota fiscal de compra, por isso a importância desse documento. Essa condição vale principalmente para roubo do produto e quando o ressarcimento é em dinheiro.

Valor de seguro diferente da nota fiscal

A condição depende bastante da empresa que irá oferecer o serviço de seguro. Em alguns casos é possível se basear conforme o valor do modelo em lojas especializadas na venda de celulares, ou seja, o recurso destinado para o segurado será o valor de mercado de seu aparelho. Na maioria dos casos é utilizado o valor indicado na nota fiscal, evitando confusões.

Pagamento de franquia

Embora você pague um certo valor para contratar o seguro para o seu celular, ainda será preciso pagar franquia para receber o dinheiro ou um aparelho novo. Geralmente a franquia custa 25% do valor do aparelho, enquanto o seguro custa mais 25%, elevando este investimento para praticamente metade do preço pago pelo smartphone. Outra questão interessante envolve a carência, ou seja, após a contratação do serviço não poderá solicitar o seguro durante um período, que geralmente compreende 30 dias.

O que o seguro para celular cobre?

Para não cair em pegadinhas é preciso ler com cuidado o contrato e identificar o que será coberto pela apólice. Na maioria dos casos apenas roubos qualificados possuem indenizações, que acontecem quando o seu celular está em um local de difícil acesso e mesmo assim o criminoso ataca. Danos no celular geralmente são cobertos, menos arranhões ou tela trincada por falta de cuidado.

Cuide da nota fiscal

A nota fiscal é um documento bastante importante para o seguro. É necessária no momento da contratação do serviço e também para acionar a apólice. Não perca e não guarde em locais onde poderá ser danificada, prefira deixar em pastas, de maneira plana. Fazer uma cópia também é uma boa opção para evitar problemas.

Conclusão

O Seguro de Celular sem Nota Fiscal é quase que impossível, pois como você vai comprovar quanto custo de fato o aparelho? Você até pensar, ah, só olhar o valor de mercado, mas não é bem assim.  A nota fiscal é uma garantia para a seguradora de quem o aparelho não foi fruto de roubo/furto. Portanto, guarde a nota fiscal, ela é essencial para o seguro de celular e também para eventuais defeitos com o aparelho.

Deixe um comentário